quinta-feira, 21 de maio de 2015

Custa...

Perceber que ao fim de quase 8 anos de trabalho a dar tudo nesta empresa não passo de um número...
Neste momento é menos o valor do meu salário que a empresa terá que suportar (que a pessoa que me vem substituir terá um salário muito abaixo do meu...), menos o valor do meu prémio anual (que reporta ao ano anterior, e deveria ter sido pago em Abril e não foi por um atraso burocrático, mas que já me informaram que ficava sem efeito).
Perceber que o facto de me ter disponibilizado a trabalhar a partir de casa até à entrada da minha substituta, porque não queria deixar a empresa na mão não significou nada a meu favor...
Perceber que irei perder muito dinheiro porque apesar de estar a trabalhar para a empresa (em casa, mas a assegurar todas as minhas funções como se estivesse no escritório), de ter 41 dias de férias por gozar, que poderiam muito bem ser gozados agora, me será cobrado integralmente o pré-aviso que eu deveria ter dado penalizando-me assim em em termos de IRS.
Perceber que o gozar as férias, ou pagar o pré-aviso tem praticamente o mesmo impacto na empresa...
Só me deixa com vontade de sair daqui amanhã e não voltar a ouvir falar nos meus chefes... Infelizmente se eu o fizer vai sobrar para quem não tem qualquer culpa destas decisões, para aqueles que choraram quando disse que me ia embora, e que me dizem que percebem a minha saida, e estão felizes por ir para melhor, mas que por outro lado estão tristes por ser eu a sair...

Dói... Dói muito...

Foram quase 8 anos em que dei tudo o que podia. Fiz o que era minha obrigação e o que não era minha obrigação. Fiz mudanças no escritório, mudei lampadas, troquei interruptores, arranjei computadores, inventei soluções para contornar problemas, tudo para além daquilo para que fui contratado. Desenrasquei muita gente, mesmo quem acabou de me provar que não merecia...

Ainda me está a custar deixar de beber o café da manhã e discutir trivialidades (e outras coisas mais pessoais) com 2 pessoas, custa saber que não vou ter companhia para ir ao Mac (nem vou ter um Mac perto para ir almoçar) quando o dia me corre mal, ou que vou ser a companhia para quando o dia corre mal a outros, mas o facto de deixar a empresa, já não me custa...
Desde ontem deixei de vestir a camisola... E sei que o que aconteceu (e os meus chefes fizeram questão de não o esconder) também fez com que outras pessoas perdessem alguma consideração pela camisola que representam...

É duro perceber que os gestores das empresas portuguesas não têm a menor sensibilidade...

Eu quis sair a bem... Infelizmente algumas pessoas não percebem isso... Algumas pessoas não percebem que neste momento eles ainda vão precisar muito de mim... Só que ai sim, a minha vontade é responder-lhes torto... Mas enfim... A minha consciencia não me permite...

5 comentários:

Til disse...

Muita ingenuidade tua pensar que eras algo além de um mero número...
A vida moderna é mesmo assim.É triste!!!

sandra disse...

Infelizmente a consideração é nula ,faças o que fizeres os agradecimentos serão os mesmos ou seja nenhuns as pessoas gostam de se sentir servidas e quando se apercebem que determinada pessoa já não vai estar ali para servir acaba por não ser ninguém, faz o que tiveres a fazer para ficares em descargo de consciência a partir daí desliga menos de quem te vai fazer falta :)

Coguie disse...

Bem....olá..encontrei o teu blog..e arrepiou..estou a passar o mesmo..exactamente 8 anos de provas dadas que visto a camisola..e estou desde de 2013 a concorrer para concursos públicos, o 1º que conseguir..lá vou eu sem olhar para trás...

Secretária Encantada disse...

Só tenho uma coisa a te dizer, força nesta nova etapa, pensa em ti e nos teus e esquece os outros, a vida é mesmo assim amigo!. ah, só mais uma coisinha, obrigada por seres um exemplo de coragem para mim. :) Prontes, já disse!!! Beijo

Moa disse...

É triste. Boa sorte para a nova etapa.